quarta-feira, 26 de julho de 2017

[Mudando de Assunto] Ghost - Meliora

Saudações literárias, queridos Travellers! Tudo bem com vocês? Espero que sim, pois hoje trago um post incrivelmente musical e diabólico. Vamos falar do último álbum de estúdio da banca de heavy metal sueca, Ghost. Bora conferir o post e aumentar o som no último volume?

Meliora (do Latim "melhor") é o terceiro álbum da banda Ghost, lançado em 21 de Agosto de 2015 com dois singles "Cirice" e "From the Pinnacle to the Pit" (baita som!). Vale lembrar que esse álbum conta com o novo vocalista, o Papa Emeritus III e uma nova roupagem para os outros integrantes, intitulados de Nameless Ghoul.


Confesso que "Meliora" trouxe um som mais limpo e vintage para banda Ghost, com o novo vocalista entoando letras mais melódicas e com pitadas de pop , outro destaque é o uso dos teclados, deixando um som com cara de anos 70. Ah! Lembrando que o Ghost ganhou o Grammy Grammy Award com o single "Cirice", na categoria "Melhor Performance de Metal".


Quem ficou curioso, super indico esse álbum, ainda mais para os amantes do bom e velho rock. Mas para aqueles que buscam um som diferente e mais diabólico, também indico. Ah! Ouça as músicas de mente aberta, nada de ficar paranoico pensando que ouvindo essas músicas vai acabar invocando o Demo.

Não esqueçam de comentar, curtir e compartilhar com o pessoal.




terça-feira, 25 de julho de 2017

Sou mais um

Olá Leitores, sou o mais novo guia pessoal que levara vocês a conhecerem o mundo da Arte, música e claro CINEMA!!

Meu nome é Rodolfo e tenho 28 anos e sou muito ligado a Arte do cinema. Passarei para vocês todo um campo de modelo de estreias de filmes, astros, diretores, curiosidades e muito mais. Conto com vocês para acompanharem minhas postagens sobre o mundo por de trás das câmeras. Um mundo fantástico que você conhecera lendo sobre meus assuntos. Ação, terror, Cults, comédia e etc... terão toda a espécie de conhecimento e claro iremos focar muito nesta área tão linda que é o mundo do CINEMA.



Estão prontos para tal atuação? Então luz, som, câmera e AÇÃO!!


segunda-feira, 24 de julho de 2017

[Resenha] Os Feiticeiros


Autora: Thaylane R. Ramos
Páginas: 295
Editora: Independente

Sinopse: Mudar o destino daquelas crianças era o mais correto a se fazer, certo? Não era justo que eles pagassem pelos erros de seus pais. Mas ter que decidir o destino de quatro pessoas que ainda nem sabiam se defender não era uma das tarefas mais fáceis. Thomas sabia das consequências, mas os amava demais para não arriscar. 

Anos depois, uma vida, amigos, família e crenças, tudo se desmoronava. Então a vida deles não tinha passado de uma grande mentira? Ellen, Alma, Jason e Rodrigo veem suas vidas mudarem drasticamente de um dia para outro, de agora em diante ninguém mais era confiável. Todo o esforço de alguém do passado parecia não ter valido a pena... Tinham sido descobertos. 

O primeiro livro da Série Entre Mundos leva o leitor a uma história intrigante, cheia de mistério, romance e traição, onde os deuses da Grécia Antiga ganham destaque numa batalha intensa contra os feiticeiros mais poderosos do mundo. O que você faria se descobrisse que a pessoa que acreditasse ser não existisse? 


Ellen, Alma, Jason e Rodrigo, são amigos inseparáveis e que estão se formando na escola. Suas vidas são completamente normais... até o dia do baile de formatura.

Ellen e Alma decidem conversar com uma cartomante que era uma das atrações do baile de formatura. A cigana revelou coisas sobre a vida das garotas, que as deixaram intrigadas. Ela disse que sabia sobre a vida delas e que estava lá encarregada de entregá-las um envelope.


Até então, tudo bem. Uma estranha que sabia detalhes de suas vidas e um envelope que ainda não sabiam sobre o conteúdo. Mas ao voltarem para casa que tudo mudou para os quatro amigos.

Ellen, Alma, Jason e Rodrigo sofreram um acidente de carro e ao acordarem no dia seguinte, não se lembravam de nada e eram estranhos um para o outro. Mas a ligação entre os amigos era muito mais forte e eles estavam confusos. Aparentemente eles tiveram o mesmo "sonho" e passaram pelas mesmas situações, porém ainda não entendiam como tudo aquilo tinha acontecido. Ninguém, entre os seus familiares, estava disposto a ajudá-los a entender o que estava acontecendo entre eles, até conhecerem um senhor na rua.

Ele prometeu que daria todas as explicações aos amigos e afirmava ser um bruxo e eles também. Mas para aprender tudo sobre a magia e sobre suas vidas, eles teriam que ir até um endereço que estava na carta que receberam, a Magic's House.

Chegando lá, os jovens começaram a entender melhor sobre o que estava acontecendo e descobriram que portavam poderes extraordinários e que tudo que para eles eram um mito, na verdade existia. Magia, deuses, o Olimpo. E para piorar, feiticeiros e deuses não se davam muito bem e que uma guerra estava preste a acontecer entre eles.


Os Feiticeiros é o primeiro livro da série Entre Mundos, da autora Thaylane R. Ramos, parceira aqui do blog. Posso dizer que eu estava extremamente animada para fazer essa leitura, porque eu amo fantasia, ainda mais quando envolvem Deuses do Olimpo. Minhas expectativas estavam nas alturas e a autora não me decepcionou.

Quando os jovens foram a Magic's House, eu imaginei que fosse ler algo parecido com Harry Potter, mas é totalmente diferente, apesar de ter alguns elementos que nos fazem lembrar a história da J.K e outros que se parecem com o da história do Percy Jackson.

Em Os Feiticeiros, temos muitos mistérios, magia, intrigas, traições, reviravoltas e um romance que te faz ficar totalmente apaixonada, como os personagens.

Esses por sinal, são fascinantes. Os quatro amigos são bem legais e eu ri muito do Rodrigo, o personagem que eu mais gostei, apesar de querer bater nele as vezes. Os quatro são feiticeiros muito fortes e eu ficava impressionada com as descrições das cenas quando eles estavam em ação, tanto nos treinamentos, quanto nos momentos de batalha.

O final é intrigante e eu esperava uma coisa totalmente diferente, mas foi muito melhor, porque me deixou super curiosa com a continuação, que espero trazer em breve para vocês!


A leitura flui com muita rapidez e eu terminei de ler sem nem perceber. É uma história simples de ser entendida e que pode agradar a todos os públicos e está mais do que recomendada, por isso a minha nota não seria diferente:
Agora me digam: o que acharam da história? Já conheciam a autora e sua obra? Comentem comigo, vou amar saber a opinião de vocês!

Beijos! 

sábado, 22 de julho de 2017

[Mudando de Assunto] Dexter


Título Original: Dexter

Direção: James Manos Jr. 

Duração: 52 minutos

Lançamento: 1 de Outubro de 2006 até 22 de Setembro de 2013

Elenco: Michael C. Hall, Julie Benz, Jennifer Carpenter e Erik King

Temporadas: 8

Episódio: 96

Gênero: Drama criminal, mistério e suspense

Origem: Estados Unidos

Dexter Morgan (Michael C. Hall) é adotado aos três anos de idade por Harry Morgan (James Remar) e Doris (Kathrin Middleton), depois de ter se tornado órfão. Após detectar sua tendência homicida, o pai de Dexter decide ensinar a ele um código no intuito de canalizar a raiva do filho para situações mais propícias à violência. Nesta nova lógica, Dexter deve matar apenas assassinos de pessoas inocentes com a condição de provar sua culpa. Ele inicia o desenvolvimento de diversas estratégias usando seu conhecimento e a experiência para realizar sua nova função.


Estou naquela ressaca de série quando terminei o último episódio de Dexter, mais uma série concluída com êxito e deixando aquela saudade. Infelizmente acabou agora é partir para outra série, mas sem antes deixar minha crítica. 

O personagem central dessa série é Dexter Morgan, um assassino em série que mata outros assassinos e criminosos, só que Morgan tem uma vida pacata e tranquila, seu trabalho consiste em ser um analista forense especialista em padrões de dispersão de sangue, no departamento de polícia do Condado de Miama-Dade.


Dexter é uma espécie de justiceiro, de um jeito frio e meticuloso ele busca fazer sua própria forma e maneira de fazer justiça com suas próprias mãos, já que na maioria das vezes, esses criminosos conseguem se livrar impunes, é aí que Morgan entra em ação. 

Essa é uma das séries com o passar dos episódios, vai ficando mais intenso, angustiante e vemos os reais motivos e causas de Dexter ter se tornado um psicopata. 

Morgan ficou órfão aos três anos de idade, esse trauma na infância foi o principal fator dele ser o que é, adotado pelo casal Harry Morgan e Doris. Seu pai adotivo começa notar os traços de psicopata em Dexter, e nesse momento que Harry passa ensinar e auxiliar usando o “Código de Harry”, uma forma de Dexter canalizar seus instintos e usar contra pessoas que “merecerem”.


Sem sombra de dúvidas, essa série está na minha lista de favoritos, uma produção impecável que nos deixa envolvidos, será que Dexter está certo em fazer sua própria justiça?

O diferencial dessa série, é que os personagens secundários fazem uma grande cadeia de acontecimentos em torno da vida de Dexter. Se vale à pena assistir? Com toda certeza!


sexta-feira, 14 de julho de 2017

[Mudando de Assunto] Colecionando Canetas

Saudações literárias, queridos Travellers tudo bem com vocês? Espero que sim! Hoje trago um post diferente, inusitado e curioso. Hoje quero falar um pouco do meu vício em colecionar canetas, SIM! Adoro comprar, usar e testar canetas. Mesmo com toda essa tecnologia, amo escrever usando a boa e velha caneta e papel.



Você deve imaginar que existem milhares de marcas, milhares de cores e milhares de tipos de canetas, só digo SIM! É uma infinidade de canetas, cores e marcar, vou me atentar somente com uma, nossa amada e querida canetas BIC (Eles não estão patrocinando, caso queiram. Só mandar em canetas, pode ser?). 

Vamos por partes, conhecer um pouco da história das canetas BIC. Que tal? 

Na França, em 1945, Marcel Bich, que fora gerente de produção para um fabricante de tintas francês, comprou, com seu sócio Edouard Buffard, uma fábrica fora de Paris e instalou uma empresa para fazer peças para canetas-tinteiro e lapiseiras.


À medida que o negócio de peças para instrumentos de escrita começou a crescer, o desenvolvimento da esferográfica avançava, tanto na Europa como nos Estados Unidos, e Marcel Bich viu o enorme potencial desse novo instrumento de escrita.

Depois de obter os direitos das patentes para uma esferográfica criada pelo inventor húngaro e naturalizado argentino László Bíró (1899–1985), Marcel Bich lançou sua própria esferográfica em 27 de dezembro de 1950. Promovendo o produto como uma caneta confiável a preço acessível, chamou-a "BIC", uma versão mais curta e fácil de lembrar de seu próprio nome. Tinha nascido a BIC® CRISTAL®.

Ele alimentou o lançamento com publicidade efetiva e as vendas ultrapassaram suas próprias expectativas.

A empresa então expandiu seu leque de produtos e começou a entrar em mercados estrangeiros criando subsidiárias, adquirindo o controle de companhias estrangeiras ou através de agentes. Desde 1950 as esferográficas BIC revolucionaram os hábitos de escrita de milhões de consumidores em todo o mundo, que continuam a valorizá-las por sua qualidade e preço acessível.

Legal, né? Tirei do bom e velho Wikipedia, mas fiquem tranquilos! Chequei todas informações. Vamos para segunda parte? Vou explicar minha paixão por canetas. 

Então, sempre gostei de escrever, desenhar, rabiscar e pintar o sete. Inclusive, quando era criança rabisquei toda parede do meu quarto. Legal, né? Minha mãe ficou maluca quando fiz isso.

Aos poucos estou comprando e colecionando canetas, de começo estou optando pelas clássicas canetas Bic, todo mundo usa e todo mundo tem! Ah! Sabe que achei na internet? Uma teoria da conspiração dizendo que as canetas Bic são uma sonda alienígena que fica nos vigiando e controlando nossas mentes. Que viagem! Se for assim, já estou com minha mente controlada faz muitos anos. 

Meus sonhos de consumo são aquelas canetas tinteiros, mas o preço é de matar, não tenho condições financeiras para comprar esse tipo de modelo de canetas, espero ganhar na loteria pra poder compra-las. 

Por hoje é só pessoal, espero que vocês gostem do post e não esqueçam de comentar e compartilhar. Ah! Espero que o pessoal da Bic veja esse post e curta, aceito parceria de canetas, hein! Fica aquela indireta básica. 



terça-feira, 11 de julho de 2017

[Resenha] A Invasão de Tanagor



Autor: Raphael Albuquerque
Páginas: 220

Sinopse: Desde o início houve várias lutas pelo poder, por objetos de riquezas ou pela simples vaidade humana ou de deuses. Em Tanagor, isto não foi diferente. Assim como o holocausto promovera almas ferozes e sedentas pela morte, este caprichoso mundo não ficou impune às diferentes batalhas que já foram travadas na Terra. Nesta realidade invisível e tão próxima, difere dos honrados aos sem escrúpulos. Perpetuado por magias, criaturas poderosas, guerreiros destemidos, armas fascinantes e segredos perigosos, uma guerra se aproxima, levando personagens fantásticos a descobrirem sua coragem e seus medos. Ninguém sairá ileso, nem mesmo àqueles que adentram neste universo como personagens coadjuvantes: leitores. Onde gigantes voam, pedras e árvores tomam forma, e as florestas escondem mistérios. Isto é: A Invasão de Tanagor.


Tanagor é um mundo criado pelo deus, Hanoai. É uma terra perfeita, pensada pelo deus e criada por suas próprias mãos. Um lugar liberto de qualquer mal e protegida pelo Deus Sol, Thaonai, filho de Hanoai e Asini.

Thaonai é um homem justo e bom, amado por seu povo, vigia o mundo no seu Trono de Fogo, onde deve ficar durante todo o dia, caso contrário o mundo entraria em uma terrível escuridão, deixando-o mais suscetível a entrada do mal.

O Deus Sol, Herdou do seu pai o dom de criar. A vida e o povo em Tanagor, só evoluía. Com o tempo, o jovem se apaixonou, se casou e foi morar em uma ilha flutuante, o Palácio da Alvorada, onde tiveram quatro filhos, dotados, cada um, com dons e habilidades grandiosas.

Neste palácio ficaa guardada, uma relíquia, o Astrolábio, que era capaz de abrir portais para outros mundos. Os filhos do Deus Sol, eram responsáveis pela segurança dessa relíquia.

Adallu, um dos filhos de Thaonai, que possuía o dom de prever o futuro, viu em uma de suas visões um desastre, Tanagor estava sendo destruída, as tribos pegavam fogo e os povos sofriam. O jovem e seus irmãos foram até o encontro do pai, para poderem discutir sobre a visão de Adallu e traçar estratégias. O Deus Sol foi encontrar com seu pai, para que este pudesse te aconselhar e deixou nas mãos de Adallu a responsabilidade de vigiar o mundo no Trono de Fogo.

Depois de alguns dias, no difícil trabalho de vigiar o mundo e tendo cada dia mais visões, Adallu se sentiu mal, no Trono de Fogo, o que fez com que ele se descuidasse e caísse do trono, fazendo Tanagor afundar em uma profunda escuridão. Os céus foram preenchidos por raios, uma fúria jamais vista e seres obscuros começaram a invadir o mundo, em busca do Astrolábio. A visão de Adallu estava sendo concretizada, a guerra começara.


Que eu amo fantasia, não é novidade pra ninguém, mas quando ela vem rica de informações e cheia de elementos incríveis, eu me apaixono ainda mais e foi isso que aconteceu em A Invasão de Tanagor.

O que mais me deixou impressionada, foi a quantidade de histórias por trás dos elementos. São muitos personagens, muitas criaturas e um mundo completamente perfeito, criado em, relativamente, poucas páginas, imagina o que o autor criaria em maior número? 

Neste livro, eu viajei para um mundo completamente diferente dos que já li, o que trás uma originalidade incrível para a história e imaginar cada detalhe descrito pelo autor, me fez sentir vontade de querer ver uma adaptação cinematográfica.

A guerra que acontece durante as páginas, foi repleta de muita ação e as criaturas obscuras, principalmente uma mosca gigante, eram as coisas mais repugnantes que já li. Moooorro de nojo de moscas e essa me fez fazer careta quando eu lia suas descrições.

Que autores tem o a péssima mania de matar nossos personagens preferidos, vocês já sabem, né? Então, saibam que aqui terá muitas mortes sem piedade. Autores sem coração! Porém, o que eu gostei nisso, foi que as vitórias não se tornam clichês, onde só os "bonzinhos" vencem, como o que acontece nas Crônicas de Gelo e Fogo, mais conhecido como Game Of Thrones.

O final do livro é incrível e completamente surpreendente, além de deixar uma pontinha solta para, um segundo livro e eu já estou ansiosa por isso.


Nota previsível? Com certeza! E é com muito prazer que dou nota máxima pra essa leitura. Uma fantasia muito criativa, que envolve muitos elementos e ainda sim te prende até o final da história. Super indicado para os amantes de fantasia, para os jovens e até mesmo para os adultos, a leitura é bem leve e fácil de ser compreendida, vale a pena!
Então, leitores, eu espero que vocês tenham gostado, não se esqueçam de comentar comigo o que acharam da história, se já conheciam o autor, se ficaram com vontade de ler... vou amar saber a opinião de vocês!

Beijos! 

domingo, 9 de julho de 2017

[Mudando de Assunto] Rocky Balboa

Saudações literárias! Tudo bem com vocês, travellers? Fiquei sumido graças à minha super e mega master internet que vive mais morta que "vivo", sacaram o trocadilho? Passando pra avisar que estou preparando um especial dos filmes do Rocky Balboa. Sim! Sou fã dessa franquia, e sim! Pois treino boxe e acho super doido o Balboa.


Estou terminando aquela série do Dexter, assim que finalizar já vou partir e fazer uma maratona dos filmes do Rocky, espero que vocês gostem. Esses filmes são uns clássicos da "tela quente"... Peraí! Não lembro se passava na "tela quente" ou "sessão da tarde". O importante é que vou rever todos os filmes e passar minha opinião de cada aqui no blog. Fiquem ligados. 

Robert "Rocky" Balboa, Sr. É um personagem fictício, que segue carreira profissional como boxeador. Seu personagem foi vivido e criado pelo ator Sylvester Stallone.

O Rocky Balboa era um humilde lutador de bairro, que vivia de suas discretas lutas, no início de sua carreira segundo seu treinador Mickey, Rocky era um jovem promissor mas nunca se interessou realmente em evoluir, preferiu trabalhar para um agiota italiano chamado Tony Gazzo, com quem manteve uma certa amizade, Gazzo gostava de Rocky por ele ser descendente de italiano, ajudou Rocky dando US$ 500,00 para o seu treinamento, na primeira luta que fez com Apollo Creed.


O dois últimos parágrafos tirei do bom e velho Wiki, fiquem tranquilos, fiz diversas pesquisas pra ficar claro que foi o personagem Rocky. Ah! Só fiquem ligados pra acompanhar o especial. 

Não esqueçam de comentarem! Se não quiserem tomar um nocaute, beleza?