quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

[Resenha] A linguagem das flores

Autora: Vanessa Diffenbaugh
Editora: Arqueiro
Páginas: 282

Sinopse: Victoria Jones sempre foi uma menina arredia, temperamental e carrancuda. Por causa de sua personalidade difícil, passou a vida sendo jogada de um abrigo para outro, de uma família para outra, até ser considerada inapta para adoção. Ainda criança, se apaixonou pelas flores e por suas mensagens secretas. Quem lhe ensinou tudo sobre o assunto foi Elizabeth, uma de suas mães adotivas, a única que a menina amou e com quem quis ficar... até pôr tudo a perder. Agora, aos 18 anos e emancipada, ela não tem para onde ir nem com quem contar. Sozinha, passa as noites numa praça pública, onde cultiva um pequeno jardim particular. Quando uma florista local lhe dá um emprego e descobre seu talento, a vida de Victoria parece prestes a entrar nos eixos. Mas então ela conhece um misterioso vendedor do mercado de flores e esse encontro a obriga a enfrentar os fantasmas que a assombram. Em seu livro de estreia, Vanessa Diffenbaugh cria uma heroína intensa e inesquecível. Misturando passado e presente num intricado quebra-cabeça, A linguagem das flores é essencialmente uma história de amor – entre mãe e filha, entre homem e mulher e, sobretudo, de amor-próprio.  

    A linguagem das flores é o primeiro livro da Vanessa e posso dizer, com toda certeza, que ela começou muito bem. É um livro envolvente, que prende o leitor em cada página. Victoria tem uma personalidade forte e foi capaz de me fazer odiá-la e ama-la ao mesmo tempo. Muitas das suas decisões me irritaram, mas logo depois eu pude entender o porquê de todas elas. Ele é narrado em primeira pessoa pela Victoria e é dividido em quatro partes (em cada uma se desenrola uma parte da história dela), e os capitulos alternam em passado e presente. 
   Minha personagem preferida é a Elizabeth -a mãe adotiva da Victoria- pelas suas características amáveis e sua forma de sempre saber perdoar e começar de novo. 
   Depois de completar 18 anos Victoria consegue arrumar uma maneira de se sustentar e acaba reencontrando seu passado. Ao longo do tempo ela faz amigos verdadeiros e as flores viram seu refúgio. No final do livro se encontra o dicionário de flores, com o significado de cada uma. 
    Mais um livro que eu amei e recomendo totalmente a leitura. 
    Ah, muito amor pela capa!


4 comentários:

  1. Oi Lud!
    Não gosto muito de livros que ficam alternando entre passado e presente.
    Não sei se seria um livro que eu leria...
    Beijos!

    http://roendolivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana! Eu também não gosto de histórias assim, às vezes me confundo, mas é uma história muito linda, vale à pena!

    ResponderExcluir
  3. Gostei da resenha, tenho esse livro e fico com vontade de ler, mas sempre tenho um pé atrás, quem sabe em breve definitivamente eu o tiro da estante?

    Abraços
    www.entrepaginasdelivros.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi Caique! Como eu disse, quando comprei fiquei com um pé atrás mas pode ler sim! É uma surpresa muito boa. Abraços!

    ResponderExcluir