sábado, 29 de novembro de 2014

Adeus, ídolo!


“Adeus” = “A-deus”: Não é uma despedida, é entregar nas mãos de Deus aquilo que você não pode mais cuidar."

Você ultrapassou gerações e ainda vai passar por muitas outras. Ídolos não morrem, apenas se tornam eternos no coração  de quem os amam. Você era um gênio, Roberto.

Marcou a minha infância e a de milhões de crianças, hoje com 19 anos ainda me desdobro de rir com cada episódio, mesmo que já tenha os visto milhões de vezes.  Você marcou a infância da minha mãe, do meu pai, da minha irmã, dos meus amigos e hoje marca a da minha prima que tem apenas cinco anos. Vê o quanto é especial ? Você ultrapassou gerações, arrastou pessoas e se tornou um fenômeno.

Quem não ama o episódio do Chaves em Acapulco? Quem não se emociona com o ''boa noite vizinhança?'' Quem não chora quando o nosso pequeno Chavinho é chamado de ladrão? Quem nunca gritou ''E AGORA QUEM PODERÁ ME DEFENDER?'' quando se encontrava em perigo? Quem nunca cantou ''Se você é jovem ainda...''? Quem nunca brigou pelo controle remoto porque seu pai queria ver jornal enquanto almoçava, mas bem na hora da turma da vila? (desculpa aí pai, mas eu sempre vencia nossas disputas)

Não é fácil lidar com a perda de quem amamos, portanto não é diferente quando se trata da morte de um ídolo como o Roberto. Quando vi a notícia ontem, minha garganta se fechou e eu não tinha palavras, e mesmo se as tivesse não saberia como expressá-las.

Me lembro tanto de às vezes levantar  5h da manhã pra assistir Chaves no SBT, outras vezes sair atrasada para o colégio porque queria assistir também na hora do almoço. E os DVD's com milhões de episódios que meu pai sempre comprava pra mim e minha irmã? Nossa, era uma alegria sem tamanho. Eles estão guardados e agora serão com um carinho maior ainda, serão uma recordação de toda a minha infância e toda a alegria que ele me proporcionou. Eu morro de ciúme dos meus livros, agora então ''O diário do Chaves'' (que inclusive foi o assunto do meu primeiro post aqui no blog) ninguém colocará a mão.

Chaves nos ensinou que não precisamos de muito para ser feliz, que um bom dia, um sorriso e um sanduíche de presunto (ou ovos mexidos do Seu Madruga) fazem milagres.

Vai Chavinho, o  Seu Madruga, Dona Clotilde, Jaiminho, Godinez e tantos outros estão te esperando lá no céu. Você não morreu, se eternizou: nas telinhas e em nossos corações!

   Obrigada por tudo, ídolo! 

2 comentários:

  1. Oi, tudo bem?
    Acho que Chaves fez parte da infância de todo mundo e é impossível esquecer um personagem tão carismático e que nos ensinou tanta coisa legal.

    Beijão :*
    www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maiara,
      Com certeza, o Roberto trouxe muita alegria a infância de todo mundo e é eterno!
      Beijos

      Excluir