segunda-feira, 23 de maio de 2016

[Resenha] Quando eu era Joe


Autora: Keren David
Páginas: 318
Editora: Novo Conceito

Sinopse: Imagine o que é perder, em uma única noite, sua casa, seus amigos, sua escola e até mesmo o seu nome. Aos 14 anos, Ty presencia um crime bárbaro num parque de Londres. A partir desse momento, tudo muda para ele: a polícia o inclui no programa de proteção à testemunha, e Ty é obrigado a assumir uma vida diferente, em outra cidade. O menino ingênuo, tímido, que costumava ser a sombra do amigo Arron, matricula-se na nova escola como Joe... E Joe não poderia ser mais diferente de Ty: faz sucesso com as meninas, torna-se um corredor famoso... Joe é tão popular que acaba incomodando os encrenqueiros da escola. Ser Joe é bem melhor do que ser Ty. Mas, logo agora, quando ele finalmente parece ter se encaixado no mundo, os atentados e ameaças de morte contra sua família o obrigam a viver no anonimato, em fuga constante e sob a pressão de prestar depoimentos sobre uma noite que ele gostaria de esquecer. Um livro sobre coragem e o peso das consequências do que fazemos.


"Estou de volta àquele estado de nenhuma emoção, em que tudo fica abafado e distante e você fica tão desesperado para sentir alguma coisa, qualquer coisa, que quer morder a língua até sangrar."

Em um parque de Londres, Ty, um garoto de 14 anos, testemunha um assassinato e da seu depoimento a polícia. Agora, ele faz parte do programa de proteção à testemunha, devido a violência da gangue envolvida com o crime. Então ele se vê obrigado a mudar de identidade. Ty, agora se chama Joe, mora com sua mãe (que também trocou de identidade) em uma cidadezinha a quilômetros de distância da sua família, da sua avó, das coisas que ama, do barulho de Londres, de Arron, seu melhor amigo.

Talvez não seja ruim ter uma nova identidade. Joe é diferente de Ty, é popular, atleta, chama mais atenção das garotas e apesar de isso ser bom, pode trazer sérios problemas.

Joe terá que tomar cuidado para que ninguém descubra sua verdadeira identidade, mas isso fica cada vez mais difícil de controlar e ele pode está correndo perigo de vida.

"Talvez seja minha sina me meter em encrencas de novo e de novo e de novo, e vá ficar cada vez pior até o destino ou Deus ou o que for tiver me punido o suficiente por tudo de que estou me safando."

"Quando eu era Joe" é um dos livros que a muito tempo queria ler, ouvia falar muito bem da história, poucas criticas negativas, então eu já esperava um história sensacional. Isso nunca é bom, concordam? Acontece que a história superou minhas expectativas e estou louca atrás do segundo livro, que se não me engano, foi lançado a pouco tempo.

Estou até agora tentando superar o final da história. Que coisa louca é essa? Eu só sei que não gostaria ter a vida desse garoto, não aguentaria.

A autora soube explorar pontos muito legais na questão das atitudes dos jovens e trouce fatos que fazem parte da realidade de muito deles, como bullying, auto-mutilação, sexo, entre outros. Então, você realmente vê que a história é narrada por um jovem de 14 anos que está passando por um grande trauma.

Minha personagem preferida é a pequena Claire, que tem um papel muito emocionante na história. Gosto do Ty, mas em algumas cenas dava vontade de dar um soco nele. A Ellie, irmã da Claire, é uma personagem muito legal, mas na minha opinião é uma mimada mandona e por fim acabei não gostando dela.

Acho que pelo título do livro da para vocês perceberem que a vida de Ty vai mudar mais de uma vez e é isso que torna a história interessante.

"Tento muito não sentir nada. Deito na cama e lembro da minha vida quando eu era Joe."

Uma história muito emocionante e instigante que não merece nota menor que 5. Está super recomendado.

Nota: 5/5

3 comentários:

  1. Livro que da ressaca ^__*
    Nunca tinha visto esse livro mas agora vou ficar de olho lol vou querer ler
    Adorei a resenha

    ResponderExcluir
  2. me interessei pelo livro e adorei a sua resenha. beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Nayara, eu tinha visto este livro, mas não tinha lido nada sobre ele, vou anotar aqui pq acredito que vou gostar. Obrigada pela dica.

    Blog Relíquias

    ResponderExcluir